Uma jornalista, cabeça a mil. Vontade de debater o mundo que me rodeia, comentar o dia-a-dia, trocar ideias livremente. A busca por um espaço democrático onde pudesse exercer minha criatividade e mostrar minha visão da vida resultou em "Crônicas de Saias".

segunda-feira, 28 de dezembro de 2009

Os melhores álbuns de 2009*

Algo muito comum nessa época são as chamadas listas de "Melhores do Ano". Há listas pra tudo. Então, para não ficar de fora, relacionei, abaixo, os discos que mais me impressionaram em 2009. Com vocês, e com a permissão da turma do "CQC", lá vai o meu "Top Five":

1º lugar: Danger Danger – "Revolve"

Fui criticado por um leitor anônimo aqui do blog, mas não teve jeito. Para mim, "Revolve", o novo trabalho da banda norte-americana de hard rock Danger Danger, é o melhor disco de 2009. Celebrando duas décadas do lançamento do primeiro disco do grupo, o CD também marcou o retorno do vocalista original, o figuraça Ted Poley, que havia deixado o conjunto em 1993. Como destaques, a primeirona e empolgante "That’s What I’m Talking About", além de "Killing Love", "Ghost Of Love" e, claro, "Hearts On The Highway", na opinião deste que vos escreve, a música do ano!

2º lugar: W.E.T – "W.E.T"

Projeto que reúne o tecladista Robert Säll (Work Of Art), o guitarrista Erik Martensson (Eclipse) e o cantor Jeff Scott Soto (Talisman), o W.E.T foi uma bela surpresa que tive nesse final de ano. O grupo, cujo nome traz as iniciais das bandas originais de seus integrantes, já merece atenção só por ter o Scott Soto nos vocais. O cara é absurdo, tem inúmeros trabalhos no currículo, já foi vocalista da banda de Yngwie Malmsteen, do Journey, e chegou a ser cogitado ao posto deixado por Freddie Mercury no Queen. Voltando ao W.E.T, o primeiro (e espero que não seja o único) trabalho do grupo é um deleite para os fãs de hard e de AOR. Mescla a sonoridade das bandas de seus membros, além de Whitesnake, Van Halen e do já citado Journey, entre outros. Meus destaques são as faixas "Our Love", "Comes Down Like Rain", "Put Your Money Where Your Mouth" e "Brothers In Arms".

3º lugar: Kiss – "Sonic Boom"

Depois de onze anos sem um álbum de inéditas, o Kiss lançou o esperado "Sonic Boom". Ao contrário do anterior ("Psycho Circus", de 1998), o novo CD agradou em cheio aos fãs do quarteto mascarado. O disco marca uma volta às raízes da banda, trazendo uma sonoridade que remete aos anos de 1970, a fase clássica do grupo. E como o vocalista e guitarrista Paul Stanley mesmo disse, este é um álbum sem baladas. Ou seja, é porrada do início ao fim. Entre as músicas obrigatórias para deixar rolando o dia inteiro no CD player ou no aparelhinho de MP3, recomendo "Modern Day Delilah" (que abre o disco), "Never Enough", "Stand" e "Say Yeah".

4º lugar: Place Vendome – "Streets Of Fire"

Segundo trabalho do projeto capitaneado pelo vocalista Michael Kiske (ex-Helloween) e pelo baixista e produtor Dennis Ward (Pink Cream 69), "Streets Of Fire" mantém o nível do debut do Place Vendome. Aquele disco, aliás, foi o meu favorito no ano de 2005. Hard e AOR da melhor qualidade! Na minha humilde opinião, a faixa-título ("Streets Of Fire"), "Follow Me", "Changes" e "Completely Breathless" são músicas que merecem (mais de) uma apreciada.

5º lugar: Chickenfoot – "Chickenfoot"

E fechando o meu "Top Five Musical", escolhi o álbum de estréia do Chickenfoot, que já mereceria uma conferida apenas pelo "line-up" do grupo. Trata-se de um verdadeiro "Dream Team", formado pelo vocalista Sammy Hagar, o baixista Michael Anthony (ambos ex-Van Halen), o "guitar hero" Joe Satriani e o baterista Chad Smith (Red Hot Chili Pepers). O resultado da união dessas forças é um discaço de rock n’ roll, do qual destaco as músicas, "Sexy Little Thing", "Oh Yeah", "Turnin’ Left" e "My Kinda Girl". Tomara que o Chickenfoot não seja apenas um projeto paralelo de seus integrantes, mas sim uma banda que tenha vindo para ficar.

É bem verdade que pelo menos mais uns cinco discos poderiam figurar na lista acima, já que 2009 foi um ano bem generoso com os fãs de metal e de hard. Os novos álbuns das bandas Dream Theater ("Black Clouds & Silver Linings"), House Of Lords ("Carthesian Dreams"), Europe ("Last Look At Eden"), Gotthard ("Need To Believe") e Heaven & Hell ("The Devil You Know") são alguns exemplos. E amanhã, farei uma listinha com os melhores filmes do ano. Aguardem!
* Por Léo Melo, grande amigo e bom de rock

quarta-feira, 23 de dezembro de 2009

Que amigo secreto, que nada!!

Neste e nos próximos Natais, quero amigos conhecidos, expostos, presentes ao meu lado, como tem sido nos últimos anos.
Obrigada pela sua amizade, pela sua paciência e energia positiva, querido leitor.
Um 2010 perfeito para nós.

Yellow pig makes me happy!!!*

O primeiro semestre de 2010 vai ser tenso para quem gosta de ir a shows. Só nos primeiros quatro meses do ano, teremos uma enxurrada de atrações internacionais no Brasil para ninguém botar defeito. E para quem gosta de pop, rock e metal então... É hora de começar a juntar o suado dinheirinho. Tem para todos os gostos: Metallica, Cranberries, Guns N’ Roses, Vince Neil (vocalista do Mötley Crüe), A-ha, Coldplay, Lynch Mob, Dream Theater, Epica, Ritchie Kotzen (ex-guitarrista do Poison e do Mr. Big)...O porquinho amarelo que eu ganhei de certa pessoa no amigo oculto será de extrema valia...
Feliz Natal para todos!!!!
*Como eu sempre digo, escrito por Léo Melo, meu amigo de fé, meu irmão e camarada

Beijoetchau!

A vida tem dessas coisas, como diria Ritchie numa canção nos idos dos aos 80. Sim, meu amigo Léo Melo está se despedindo do contato diário com o meu grupo amado. Pois é, o cara descolou uma puta vaga numa grande empresa e está se despedindo. Como nãopdoeria deixar de ser, uma mistura de alegria e tristeza se instala, mas sabemos - como diria meu compadre postiço e amigo enrolado de todas as horas, Edu - que depois q se transforma em um de nós, já era. É verdade. É a única certeza q tenho depois de anos no mercado: a galera desta tchurma não se larga, não deixa de se ver, de torcer um pelo outro, de se amar mesmo. Um orgulho.
Léozinho é desses. Um irmão mais novo que arrumei por estas bandas, figura rara de se ver, tímido para cacete e dono de um pensamento ágil de doer. Uma graça!!
Por mim, não posso reclamar mesmo. Ainda que ele passe dois ou três dias sem dar notícias - e espero q isso não se repita muito - ele ainda é o fiel colaborador deste espaço na grande rede. Com um texto apurado para a área cultural e louco por moças de cabelos coloridos e bandas de rock pesado. Ou seja, o contato é frequente.
Este é o meu Léo!
Enfim... Não tem esta de adeus... é só beijoetchau!
Queridão, vai na fé!
Estamos por aqui, vc sabe. E estaremos sempre. Sempre a fim de umas biritas e um bom papo no meio da semana, um sambinha de leve (para não ferir seus ouvidos roqueiros), uma força presente em todos os momentos da sua vida.
Bjo grande e toda a sorte do mundo nesta nova empreitada!!

terça-feira, 22 de dezembro de 2009

Alérgica ainda...

A alergia me pegou de jeito.
Me coço inteira e meu rosto pega fogo. Tô igual a cachorro...
Não, não tô mais com cara de pugilista, mas meu olho ainda naõ está normal. Tô meio Silvester Stallone, saca?
Uma mistura desta merda toda.
A dermatologista disse que foi a cauterização q fiz no cabelo na semana passada...
Os meus cabelos ficaram lindos, mas a minha voz... porra, eu e Angela Rô Rô tamos pau a pau, no bom sentido, é claro!!
mas vamu-ki-vamu!!
Hoje tem festa da empresa... não tem nada melhor...
mas confesso q tô tão caidinha (eu e meu olho) q minha vontade era ficar em casa dormindo...
boa noite.
zzzzzzzzzzzzzzz...

segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

Banda (com vocalista fofa) da semana: Paramore*

Eles já estão “bombando” há uns três anos, mas só agora parei para dar uma conferida no som do Paramore. Não é bem a vertente do rock que escuto com frequência ou que gosto, mas vou confessar...Até que curti o que ouvi. Falo, especificamente, do disco “Riot!” (2007) e que traz alguns dos “hits” do jovem grupo norte-americano, como “Thats What You Get”, “Misery Business”, a bacanérrima “Crushcrushcrush” (clipe abaixo) e “Decode”, que faz parte da trilha sonora de outro fenômeno adolescente, a adaptação cinematográfica do livro “Crepúsculo”. Transitando entre o pop punk e o emo, a banda nascida no Tennesse esteve aqui no Brasil ano passado e fez shows com casa cheia em São Paulo, Porto Alegre e no Rio de Janeiro. Pois é, até bateu uma pontinha de arrependimento por não ter ido na época. Não apenas pela música, mas também pela gracinha da vocalista Hayley Williams, a-menina-elétrica-dos-cabelos-cor-vermelho-alaranjado.
http://www.youtube.com/watch?v=UF1DPMe8p6c
* Por Léo Melo, querido companheiro e amante das moçoilas de cabelos coloridos

Atchimmmm!

Meu presente de Natal chegou antecipado: uma crise alérgica dos horrores!
Com tudo a q tenho direito, é claro: tosse, espirro, dor no corpo e olhos inchados. E olha q desta vez o culpado não foi o boxe.

sexta-feira, 18 de dezembro de 2009

Amor, amizade e outras coisitas mais...

A busca pelo filme “Quando Nietzsche Chorou” começou há uns dias. Meu amor me pediu para vê-lo. O cara adora filosofia, sociologia, antropologia e outras "ias" do gênero. Eu não tenho vergonha de confessar que sou quase uma ignorante...
Enfim, não conseguia achar a fita disponível. A curiosidade foi sanada no último finde.
Adaptação de um dos maiores sucessos literários no Brasil, o livro homônimo de Irvin Yalom, a película conta a história de um encontro que não rolou na verdade entre o filósofo alemão "foda" Friedrich Nietzsche (Armand Assante) e o médico Josef Breuer (Ben Cross), professor de Sigmund Freud (Jamie Elman). Nietzsche é ainda desconhecido, pobre e com tendências suicidas. Breuer passa por uma fase negra na vida após ter se envolvido com uma de suas pacientes, Bertha (Michal Yannai), doida de pedra, por quem cria uma obsessão sexual.
Breuer é procurado por Lou Salome (Katheryn Winnick), "amiga" de Nietzsche, que quer curá-lo de sua depressão.
O tratamento vira uma aula de psicanálise, onde os dois terão que mergulhar em si próprios.Uma experiência anterior ao que conhecemos hoje sobre "terapia através da fala", que aliás sou fiel seguidora.
Não li o livro, embora Nietzsche sempre tenha me deixado curiosa. O que ouvi é que faltava profundidade, mas aí - me desculpem os puristas - toda adaptação sofre do mesmo mal. Fazer o quê?
Sim, o filme tem efeitos especiais sofríveis, quando mostram os pesadelos de Breuer, que não me parece genial, mas até meio tonto. Lou Salomé é quase uma piranha, sem escrúpulos, ao contrário do que foi na verdade (embora nunca tenhamos tido certeza sobre sua conduta na vida pessoal). E isso tb não tem importância... Mas em compensação a decoberta da amizade entre os dois protagonistas e a certeza do amor que unia Breuer e a esposa é bonita demais. Faz refletir. Destaque dos destaques: o ator Armand Assante na pele do filósofo. Sensacional!! Mostra um ser humano, longe do mito a que estamos acostumados a lidar nos livros, um cara marcado pela dor, sozinho, mais do que triste. Uma pitada de tormento, uma cabeleira de fazer qq mendigo da Cinelândia se arrepiar e um bigode que (Deus do Céu!) botar medo... O retrato da vulnerabilidade, do abandono a si mesmo. E depois, a fragilidade.
Valeu o filme!

Besouro voa

Vou aproveitar o post do meu irmão Léo Mello (abaixo) para comentar meio sem jeito que fui ver "Besouro" há umas três semanas. Só para variar, por conta da falta de tempo, não comentei absolutamente nada do filme. Mas acreditem: até eu q ando fazendo luta me empolguei muito com o filme.
Talvez eu seja a do contra, afinal me disseram que em apenas um fim de semana foram 130 mil espectadores... porém eu confesso qu enão fiquei tão feliz com a pélícula, não. É fato: as cenas de luta são fantásticas, bem ao estilo Kill Bill, filme consagrado de Huen Chiu Ku, coreógrafo que também fez tais cenas em Besouro. Bacaninha, bacaninha... Mas isso, convenhamos, não segura a onda...
A questão é que a história é muito fantasiosa e o elenco é jovem de doer. O filme conta a vida de Besouro Mangangá, um capoeirista brasileiro da década de 20 a quem eram atribuídos feitos heróicos e lendários. Palmas para a beleza de Jessica Barbosa, que faz dois papéis (Iansã eDinorá, este último paixão de Besouro) e para o potencial de colocar medo nas pessoas de Sérgio Laurentino, ator que interpretou Exu.
Fora isso, espere sair em dvd. É o suficiente.

Tô na área

Eu ando em falta mesmo com os meus nove leitores. Me perdoem, mas só hoje volto à vida, após dias e dias entulhada nomeio de textos e mais textos e mais textos. Era muito trabalho... Não que eue esteja à toa no momento, mas agora já dá para respirar e fazer xixi de vez em quando.
Enfim, tô na área.

Avatar Day!!!*

É hoje!!! “Avatar”, o super-ultra-mega-esperadíssimo novo filme do diretor James Cameron, estréia mundialmente nesta sexta-feira, 18 de dezembro. Considerada revolucionária e a mais cara produção da história do cinema, a ficção-científica consumiu algo na casa dos 500 milhões de dólares (do orçamento de produção a ações de marketing) e 10 anos de trabalho para ganhar vida. Na trama, ambientada no futuro, Jaze é um ex-fuzileiro naval paraplégico que é enviado a um planeta chamado Pandora. Lá, além da riqueza em biodiversidade, existe também a raça humanóide Na’vi (a figurinha azul que ilustra o pôster), com sua própria língua e cultura, o que evidentemente entra em choque com os humanos da Terra. Pelas críticas entusiasmadas, tudo leva a crer que o cineasta ganhador do Oscar por “Titanic” voltará a ser “Rei do Mundo”.
* Por Léo Mello, amigo querido e macaco de auditório de filmes de aventuras

quarta-feira, 16 de dezembro de 2009

A-ha volta em março para turnê despedida*

Menos de um ano depois de se apresentar no Brasil, o grupo pop A-ha voltará a pisar nessas terras em março. Só que essa vez, infelizmente, será a última. A banda norueguesa, que recentemente anunciou sua separação em 2010 após quase três décadas de carreira, fará uma turnê mundial de despedida dos fãs. A etapa brasileira da derradeira excursão incluirá shows em São Paulo (dia 10/3, no Credicard Hall) e no Rio de Janeiro (dia 13/3, no Citibank Hall).
* Por Léo Mello, amigo e fã dos bonequinhos noruegueses

sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

Domingo, Imprensa que Eu Gamo


"Domingo de sol, adivinha para onde nós vamos??..."
Galera, neste domingo, dia 13, feijoada do Imprensa que Eu Gamo. O bloco do meu coração faz 15 anos e começa a celebração da data.
Na Lapa.
Às 14h.
E viva o Zé Pereira!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!







Um dia muito especial

Tive um dia hoje realmente muito especial.
Consegui o resultado do século - com uma puta matéria na capa do jornal mais lido do estado, divulguei a casa para a qual trabalho, o evento que faço no domingo, meu namorido, meus amigos e, de quebra, um querido irmão e coaborador ativo aqui do blog conseguiu um passaporte para outro trabalho.
maravilha!
Quem dera todos os dias fossem assim...
Léozinho, vai em paz e sorte. Tua força é que nos fortalece.

quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

Linda!!!!!!!!!!

É impressionante como exalamos a energia do que sentimos. Ontem, fui a uma bela festa, feita para a minha classe, num lugar bem bacana. Tive uma crise de "mulherzinha" e me produzi toda, com a ajuda de uma colega de trabalho com muitos dons para a área estética, com ênfase em maquiagem. Uma coisa!
Quando me olhei no espelho, mal me reconheci. Sem contar q comprei sandália nova, fiz as unhas, passei o secador nos cabelos. Tava me sentindo...
Vc sabe q muitos amigos vieram falar do quanto estava bonita??
Ai, q delícia!
Elogios, quando acreditamos serem verdadeiros, é como mastercar: não têm preço.

Câmera


Comprei uma nova câmera fotográfica e a estreei ontem. Uma delícia. A sensação de poder guardar um momento bacana para o resto da vida é única. É deter um pouco o poder da eternidade, não acham?
Muito bom...

terça-feira, 8 de dezembro de 2009

Rita II

A Rita levou meu sorriso
No sorriso dela meu assunto
Levou junto com ela o que me é de direito
Arrancou-me do peito
E tem mais
Levou seu retrato, seu trapo, seu prato
Que papel!
Uma imagem de São Francisco
E um bom disco de Noel
A Rita matou nosso amor de vingança
Nem herança deixou
Não levou um tostão
Porque não tinha não
Mas causou perdas e danos
Levou os meus planos meus pobres enganos
Os meus vinte anos, o meu coração
E além de tudo
Me deixou mudo o violão
(Chico Buarque - 1965)

Rita

Oito de dezembro, dois anos sem Dona Rita, minha avozinha querida. O dia amanheceu chuvoso, diferente do que foi naquele 8/12 de 2007. Era um dia lindo, céu azul. Show do Police no Maracanã e eu tinha passado pelo menos uns três meses na expectativa de ir ver o Sting. Uma empolgação doida. Voltava de Manaus a trabalho. A chegada ao Rio, porém, me reservava uma triste surpresa. Desisti do Police; tudo perdeu a importância. Fui me despedir da minha segunda mãe.
Curiosa esta questão da saudade. Em alguns momentos, acho que a saudade vai abrandando até que esquecemos das pessoas. Não conseguimos mais nos lembrar dos gestos, da voz, do riso. E assim aquela imagem se perde no horizonte da nossa memória. É preciso ver fotos, assistir a vídeos, ouvir histórias de quem estava ali, junto, para trazer à tona detalhes passados. No caso de perdas irreparáveis, a saudade é crescente. Nossa, quanta falta ela me faz! Dos papos, da cumplicidade, do companheirismo, da torcida sempre presente e até da cara feia quando eu xingava palavrões. Sei que fui a neta mais amada e mais mimada do mundo.
Bom ter esta lembrança... pena que hoje isso é só uma lembrança.
Com ela, aprendi a cozinhar além do básico, aprendi que a infância é um mundo de sonhos, aprendi que é preciso querer sempre mais, aprendi que é preciso ser feliz. Às vezes, o aprendizado vem pela dor, como na despedida dela. Tão jovem, tão doce, tão cheia de vida ainda, mas guardando em si um monstro capaz de dilacerar suas forças. Uma doença que toma conta de tudo.
Tenho plena noção de que eu poderia ter sido mais para ela. De que eu poderia ter estado mais presente, mais ao lado, mais perto. Não fiz nem o que pude. Estava sempre ocupada, sempre pre-ocupada com as minhas coisas. E ela ali. Firme e forte. Hoje, já não a tenho mais. E vejo que eu tinha tempo, que eu podia ter feito mais para aprveitar mais aquele tempo dela enquanto ela estava bem, mas não me dei conta disso. Realmente hoje vejo que ela não era eterna.
Enfim, até neste momento ela me ensina.
Curti muito cada momento com ela, mas poderia ter sido um pouquinho mais. Queria muito que meus filhotes tivessem a avó que tive, que leva à praia nas férias, que vira criança brincando junto de massinha, que acompanha o crescimento, que faz comidinhas especiais, que ouve as histórias sempre interessada, que quer saber cada sentimento que se passa dentro do outro.
Mas eles não terão... Não a mesma. Espero que a deles tb seja tão especial, tão cheia de virtudes, tão amiga. E que eles possam enxergar isso.
Ter alguém com quem contar sempre é divino.
Fica a saudade e o aprendizado.
Valeu, Vozinha. A gente se encontra por aí.
Amo você.


8/12

Hoje é 8 de dezembro. Dia de Nossa Sra. da Conceição. Dia de Oxum, a deusa do Amor. Salve ela!

Shimbalaiê para vc também

Curiosidade jornalística: o que diabos é shimbalaiê?
Putz, a música da Maria Gadu colou em mim e não consigo mais me livrar dela. Como boa jornalista, porém, me questionei sobre o significado da palavra. Será q é indígena? Hindu? Latim?? rsrs...
Bem, catei na internet e, segundo consta, a própria compositora inventou a palavra quando ainda era criança. Será? Outra resposta dava conta de q tem vários significados: amor, alegria. Outra dizia que é um cumprimento, um alô para quem encontrou tais sentimentos.
Eu não sei.
Mas não me surpreenderia se não fosse nada.
Afinal, o que é Maria Gadu? Deve ser tb um apelido para outro nome, né?
Mais uma coisa para ser procurada na internet!
Seja lá o que for, a moça nasceu com o traseiro para lua. Emplacou a música na novela das oito, tema dos personagens mais divertidos (Rafaela e Dora), e agora vem com mais duas na próxima novela das sete!
Gadu deve ser um amuleto da sorte, um pé de coelho, uma figa ou qq coisa do gênero.

segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

Bono, não torça para o Brasil na Copa!!! *

Já estou com medo. O sorteio das chaves da Copa do Mundo na última sexta-feira não foi tão generoso com a nossa seleção. Caímos no mesmo grupo da Coréia do Norte, mas também das preocupantes Costa do Marfim e Portugal. Porém, o meu maior temor não é tanto os nossos adversários. E sim o pé frio do Bono Vox. Como assim? Explico. Quando o U2 veio ao Brasil pela primeira vez, em 1998, ano da Copa da França, o cantor disse nos shows que torceria por nós. Resultado: tomamos aquela lavada de 3 a 0 dos donos da casa na final. Em 2006, o U2 voltou para duas apresentações em São Paulo e novamente, em pleno Morumbi, Bono revelou aos milhares de fãs que torceria pela equipe brasileira. E eis que fomos eliminados outra vez pelos franceses, nas quartas-de-final do Mundial da Alemanha, com um gol de Thierry Henry - por ironia do destino, o mesmo jogador que desclassificou a Irlanda de Bono na repescagem da próxima Copa, no polêmico lance com a mão.
Agora estamos prestes a chegar a 2010, ano da Copa da África do Sul e, pelo que tudo indica, de uma nova passagem do U2 por aqui. Boatos na internet dão conta que a atual turnê da banda deve passar pelo Brasil em abril. Mas não será necessário esperar até lá para começar a roer as unhas. O programa Fantástico, da Rede Globo, exibiu ontem uma entrevista exclusiva com Bono sobre a nova causa em que o vocalista está envolvido: o combate à Aids na África. No fim da conversa, o repórter fez a maldita pergunta sobre qual seleção ele iria torcer na Copa. Diplomático, Bono disse que seria a Costa do Marfim, em homenagem ao atacante Didier Drogba, outro embaixador da campanha contra a Aids. Só que o cantor lembrou que estava falando para uma emissora brasileira...E aí já viu...Perguntou se poderia torcer também por nós....Deus que nos abençoe...

*Por Léo Melo, o grande, inenarrável, sem palavras maior fã de Bono Vox e torcedor do Brasil

sexta-feira, 4 de dezembro de 2009

Magooooooooooei!*

Ih!! Pela primeira vez um post meu aqui no blog recebeu um comentário. Ainda que tenha sido metendo o cacete (sem duplo sentido, por favor!). O texto em questão que motivou a discórdia e o ódio foi sobre o novo disco do Danger Danger, “Revolve”, lançado em setembro e que eu considerei como forte candidato a melhor do ano. Um leitor (anônimo) não concordou comigo. Afirmou que o que eu disse era uma porcaria e me indicou os discos "Grand Union" (do Firebird), "Different Realities” (do Siena Root) e "Guillotina Drama" (do Black Bonzo), na opinião dele, os mais bacanas de 2009. Admito que até então não conhecia as três bandas e os tais discos recomendados. E fui lá conferir.
De cara, já olhei com especial atenção para duas delas, Siena Root e Black Bonzo, pois são suecas. Costumo dizer que o mesmo talento que temos aqui no Brasil para gerar grandes jogadores no futebol, a Suécia e os demais países escandinavos (Dinamarca, Noruega e Finlândia) têm para produzir bandas de rock. E em suas mais diversas vertentes. É impressionante! Não sei o que rola naquelas terras do norte da Europa. Talvez seja o frio intenso que faz naquela região, motivando a molecada a ficar em casa estudando música e tocando o dia inteiro... Ah, os discos...
Confesso que achei os três interessantes. As bandas têm uma sonoridade que remete aos anos 1970 e lembra grupos clássicos como Urian Heep, Led Zeppelin, Deep Purple e Queen. Mesma influência, aliás, que traz a outra indicação do leitor anônimo, a banda Firebird. Numa rápida pesquisa no Google, descobri que ela é liderada pelo guitarrista Bill Steer (ex-Napalm Death e Carcass) e tem como fonte de inspiração Cream, Free... E os caras ainda gostam de Rush, uma das minhas bandas prediletas, tendo até já gravado um cover de “Working Man", do trio canadense.
Por fim, agradeço as indicações do leitor. Valeu aeee, Anônimo!
Mas, cá entre nós...
Eu prefiro mil vezes o novo do Danger Danger.
* Por Léo Melo, colaborador amigo e debutante no quesito "há comentarios sobre o meu post"

Anônimo

Caríssimos leitores, comunico hoje que fiz uma especial descoberta: o grupo de pessoas fiéis aos meus textos aumentou. Agora, não são mais nove, são dez leitores que acompanham estas mal traçadas linhas na grande rede q chamo de meu blog.
Na última semana, o novo leitor me fez o favor de me gerar uma bela risada logo no começo do dia. Dizendo que achava realmente q eu estava grávida, em função de um post sobre o non sense das pessoas que se intrometem na vida dos outros, faltam com a educação, dão gafes, fazem perguntas constrangedoras.
Adorei... ele mesmo um exemplo claro do que eu disse!
Infelizmente, este nosso novo amigo prefere não se identificar e responde pelo singelo pseudônimo de "Anônimo". Sem problemas... Há espaço para todos.
Leitores são sempre bem-vindos.
Querido Anônimo, obrigada pela sua participação e qdo quiser pode pintar qtas vezes achar conveniente. A democracia é a maior característica da internet. Graças a Deus! Leozinho Melo, meu colaborador favorito, tb dá as boas vindas a vc no post acima!
valeu!

quinta-feira, 3 de dezembro de 2009

MENGOOOOOOOOOOO!!

Um amigo (fala, Mará!) querido que faz parte da horda de oito (ou serão nove agora?) leitores deste espaço me questionou esta semana pq não comentei absolutamente nada a respeito do meu time de coração. Sim, eu ando meio sem tempo mesmo, mas a verdade é que a galera tem falado tanto sobre o assunto, que tenho muito mais lido do que tido vontade de escrever...
Sabe como são estas coisas de ser flameguista não praticante? É mais ou menos por aí.
Mas para não deixar passar em branco, aí vai:
MENGOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOO!!!

Viagem ao passado

“I don't care where I go
When I'm with you
When I cry You don't laugh
'Cause you know me
I'm in you
You're in me
I'm in you
You're in me
'Cause you gave me the love
Love that I never had
Yes, you gave me the love
Love that I never had…”

Lembra desta música? Bem, não é a mais popular do Peter Frampton, mas é gostosíssima. A mais famosa, acredito eu, é "Baby I Love your Way" (abaixo). Cheguei hoje ao trabalho ouvindo a primeira sobre a qual comentei. Uma viagem à minha pré-adolescência, que fiz questão de fazer enquanto a canção tocava no rádio. Na época, tinha uma amiga (por onde será que ela anda?), queridíssima, que era pouco mais velha que eu. Era vidrada em astros estrangeiros e me apresentou aquele loiro cabeludo. Me apaixonei, né?? Aliás, como era do meu feitio.
A paixão dela atendia por outro nome: Leif Garret. Era um carinha loiro, bem mais jovem, ator e cantor de muiiiito sucesso. Aqueles típicos casos de talento precoce, que sabemos que tem tudo para dar merda... Enfim, passávamos tardes inteiras suspirando pelas fotos que encontrávamos nas revistas, recortando e colando nas paredes do quarto dela.
Cheguei ao escritório inspiradíssima pela saudade. Fiz uma visita rápida ao meu camarada Google para saber por onde andavam estas figuras. E constatei mais uma vez as surpresas que a vida nos traz. Frampton não está sumido – lembrei q cheguei a vê-lo há pouco tempo num destes programas da TV fechada. Agora é um senhor de quase 60 anos, a cabeleira foi-se com o tempo, a vitalidade da juventude já era. Apesar disso, o sorriso é o mesmo, continua ativo e pilotando sua guitarra precursora dos acordes de Guns and Roses e Bon Jovi. Até ganhou um Grammy recentemente por um disco instrumental.
E Leif? Bem, Leif não teve a mesma sorte. Sua trajetória não foi tão bacana qto a de Frampton. O show bizz é mesmo implacável com quem não segura a onda. O cara se envolveu com drogas e deu adeus à fama. Aliás, pelo visto, deu adeus à sua vida inteira, pq já foi preso várias vezes por porte de cocaína e até já causou um acidente que prendeu seu amigo a uma cadeira de rodas para o resto da vida. Triste, muito triste.
“Shadows grow so long before my eyes
And they're moving across the page
Suddenly the day turns into night
Far away from the city
Don't hesitate
'Cause your love won't wait
Ooh baby I love your way
Wanna tell you I love your way
Wanna be with you night and day…”

quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

Visita

Já descobri o real motivo da visita ao Brasil do presidente do Irã, Ahmadinejad. O cara veio dar aulas ao nosso Lulinha como ser cínico. Um diz que não houve holocausto; o outro diz que não houve DEMsalão.

Dia Nacional do Samba

Hoje é o Dia Nacional do "Rei do Terreiro". No ano passado, me aventurei pela primeira vez a ir a Oswaldo Cruz. No trem q sai da Central, um sufoco danado, mas a festa no bairro é deliciosa. Quem não foi, não pode perder... nem q seja para experimentar. Tem batuque em cada esquina, uma multidão de gente se espremendo e comidinhas e bebidinhas mil. Vale a pena.
Neste ano, porém, tô mais para fazer um programinha mais light. Vou ao berço do samba, minha querida Lapa, assistir à galera do Samba da Amendoeira, no meu novo habitat, Balneário da Lapa.
E quem quiser q me acompanhe.

terça-feira, 1 de dezembro de 2009

Gorda II?

agora, já q estou no assunto vou me alongar...
queria muito ter mais força de vontade emais facilidade para emagrecer. A junção destes dois fatores realmente têm me tirado do sério. Inúmeras vezes me pergunto pq venho fazendo dieta - pelo mnos durante a semana. A verdade é que há meses não emagreço um grama. É certo que não engordo, mas tb não reduzo em nada o meu peso.
na teoria, emagrecer é uma questão matemática. Se continuasse comendo o mesmo e começasse a fazer o exercício, o certo seria... emagrecer. Se fechasse - ainda que um mínimo - a boca e aliasse a academia, o certo seria... perder peso (perder, não, pq não quero achá-lo de novo!).
Mas...
Comigo não tá funcionando desta maneira!
Dá vontade de chutar o balde.

Gorda?

Tô para saber o que faz as pessoas serem tão desagradáveis. Vc já imaginou em sair de casa com a primeira roupa q encontrou no guarda-roupa, em direção à acdemia (que não é a minha preferência, cheia de bolsas e de sono e... ser questionada na rua se está grávida, única e exclusivamente pq está com um vestido solto??
Ufa!!
Ou seja, se estou parecendo uma grávida é pq... estou gorda. Ah, não, logo pela manhã é demais...

sexta-feira, 27 de novembro de 2009

Família, família...

Costumo dizer que família é o nosso céu e nosso inferno. E algumas vezes consegue ser as duas ao mesmo tempo.

Sem luz no fim do túnel

E por falar em calor não poderia deixar de comentar a falta de energia elétrica em diversos pontos do Rio desde o dia do apagão. Inacreditável como até uma concessionária de serviços públicos não é séria e não há quem questione o papel dela. detalhe: isso tudo é pago, não tem ninguém fazendo favor para ninguém.
Por outro lado, e me desculpem o meu egoísmo e os amigos que estão passando por esta situação lamentável, acho ótimo que os locais escolhidos para faltar energia estejam na Zona Sul. Cá para nós, só assim mesmo para que seja tomada alguma providência. Já deu no Jornal Nacional, na capa dos principais jornais, na internet... Porque simplesmente quem está sem luz é uma autoridade, um editor fodão de algum veículo importante, um político. Quando estas coisas rolam no subúrbio, nem rendem pé de página, nem comentário nenhum em rádios. É esta a nossa realidade.
Não sei se tenho pena, não. Imagino o que é dormir com a temperatura nas alturas, mas tenho dó mesmo é da população da Baixada Fluminense que NÂO se acostumou com isso, embora seja questão frequente e, além de estar às escuras, ainda tem q conviver com mosquitos e falta de segurança nas ruas. Porque com certeza na Zona Sul isso não acontece.

Calor!!

Diante deste calor senegalês (me pediram paar não usar esta palavra pq era pejorativa, mas não consigo evitar), só posso dizer q estou à beira de um ataque de nervos. Pô, antes das 9h30 da manhã (horário de Brasília), os termômetrso já apontam 35 graus...
Olho para o meu Roninho, meu poodle fofo, e tenho peninha. Imagina se eu que não tenho pêlo estou neste estado, imagina ele...
É a treva, como diria o bordão da novela das sete!!

quinta-feira, 26 de novembro de 2009

Sei, não...

Sinceramente tô achando - e acho até q comentei isso com vcs aqui neste espaço - estas mudanças climáticas muito sinistras. Hoje, a Miriam leitão, no Bom Dia Brasil, disse q cnhece jovens q não querem ter filhos com medo das consequências q eles podem sofrer daqui a alguns anos. Vou mais além... acho sinceramente q nós mesmos vamos sofrer com isso. Aliás, já estamos sofrendo. E não são tornados nos EUA, tsunamis na Ásia ou qq coisa do gênero, embora ter visto camelos (que vivem nos desertos) na Austrália buscando água nas grandes cidades me assusta um bocado...
A verdade é que o sul do país nunca viu tanta água cair do céu como nos últimos tempos. E mais perto ainda: as variações de temperatura que estamos vivendo aqui no Rio de Janeiro são uma doidice. Nunca vi tanto calor como nestes dias. Nunca vi tanta chuva, tanta tragédia, tanta gente desabrigada.
Sinceramente, sei, não...

Marchinhas

Saiu hoje a lista dos finalistas no concurso de marchinhas da Fundição Progresso. Ainda não tá no site, mas o Joaquim ferreira dos Santos deu em primeira mão. Tem comentários rolando de todos os gostos: choro de perdedor, tapinhas nas costas de quem repete o feito do ano anterior, felicidade pela conquista.
Mas isso não é novidade.
Confere lá no Globo on e dê sua opinião.

quarta-feira, 25 de novembro de 2009

Mais dor

Não quero desistir... Juro que não. Mas conviver com a dor não é uma das minhas preferências. As aulas de boxe são deliciosas. Me divirto, me desestresso, queimo umas boas calorias. Mas em compensação estou dolorida quase todos os dias. Uma loucura.
Ontem, soquei tanto o saco (pensando em determinadas pessoas, é claro) que minhas costas e braços estão em frangalhos. E isso não é vida.

Romântica eu??

Nada me comove mais do que relações terminais. Dá uma pena...
Insisto sempre em aconselhar a parte mais próxima a conversar, rever seus erros e , quem sabe, achar um caminho para voltar a ser feliz. É tão raro encontrarmos alguém q queira apostar num relacionamento e compartilhar isso com o outro.
Será romantismo meu?

terça-feira, 24 de novembro de 2009

Artes cênicas sempre foram um tesão para mim. Incubado, enrustido, mas um tesão. Sempre na minha vida de alguma maneira quando decidi investir nisso ocorreu algum imprevisto que me levou para outro lado. A coisa era tão forte em mim que durante um tempo me diziam q eu era um repórter do caderno B, meu sonho na época.
O mundo é engraçado.
Hoje, cá estou eu, jornalista, escrevendo sobre artes cênicas. Não só cênicas, artes de um modo geral. A vida realmente é uma caixinha de surpresas.
Há um mês, estou sendo paga para escrever um livro comemorativo de um teatro no Rio, sua história, seus personagens - atores, diretores, produtores. Um mundo mágico e louco ao mesmo tempo. Ou será q isso é redundância??
Me arrepio ao ouvir certos depoimentos. Acompanho com atenção cada final feliz ou não. os roteiros são parecidos, mas cada um culmina num canto diferente.
Ontem, ouvi um texto bonito, que me fez pensar. "O teatro é uma entidade. Ali é um espaço paar cantar, dançar,l representar. Mas um teatro não é só isso; é uma entidade. Uma peça é um meio para fazer o público se conectar a uma idéia. Não é somente a palavra que importa, mas onde ela te leva.”
De Colmar Diniz, uma figura rara.

sábado, 21 de novembro de 2009

Presente de Natal

Já disse aqui que adoro Natal. O clima, o astral das pessoas, as lembranças, a questão religiosa, as crianças, os presentes... Acho lindo, embora tenha notada q cada vez mais as pessoas evitem a data por uma série de fatores que caberiam em ouro post.
Neste ano, eu finalmente farei o que quase nunca consigo: antecipar o pedido do presente. É verdade, já decidi. Cisa rara na minha pessoa, hein!! E o que quero é outra Karla, uma gêmea, uma criatura igualzinha a mim para q eu possa dividir com ela minhas obrigações. Aliás, pensando melhor, como cheguei primeiro, ela fica com a correria, obrigações, puxa-saquice da data, e eu fico com as comemorações, com os abraços, amigos-ocultos, orações antes da Ceia...
Ai, que delícia!
Papai Noel, não adinata agora dizer que não deu tempo...

Eu e Salma

Eu e Salma Hayek (a Frida, lembra?) temos outras coisas em comum, além de nossa beleza, inteligência, competência, gostosura e todos os outros adjetivos que nos vir à cabeça. Nós temos bigode! Sim, é verdade. Eu, ela e todas as portuguesas... E aqui não há nenhum preconceito. Aliás, ela mencionou numa entrevista nesta semana q na vida real, se não existisse cêra quente, ela seria quase o Sancho Pança.
Bem, eu não diria tanto, mas na semana passada, em função da minha falta de tempo, confesso que estava quase dando para fazer uma trancinha. Rs... Exageros à parte, não existe coisa pior na vida de uma mulherzinha do que aquela sombra - feita pela penugem - que cresce entre nossas bocas e narizes. Nunca viu??
Então faça seu buço a primeira vez e depois me conte...
Nunca mais vai passar sem fazê-lo.

terça-feira, 17 de novembro de 2009

Cranberries pela primeira vez no Brasil*

Ainda estamos na metade de novembro, mas as notícias sobre a agenda de shows para 2010 já são bem animadoras. E logo no começo do ano, uma grata surpresa. A banda irlandesa The Cranberries fará quatro shows no Brasil em janeiro. Será a primeira vez que o grupo da vocalista Dolores O’Riordan tocará aqui, apesar de a cantora ter vindo ao País para apresentações solo em 2007. Os shows rolam no Rio (Citibank Hall), dia 28/01; em São Paulo (Credicard Hall), dia 30; em Belo Horizonte (Chevrolet Hall), dia 31; e em Porto Alegre (Pepsi on Stage), dia 03/02. Além do Brasil, a banda também passará pelo Chile, Argentina, Peru, Equador, Venezuela e México, segundo o site oficial da cantora. O Cranberries havia encerrado as atividades em 2003 e neste mês de novembro anunciou seu retorno para uma turnê nos EUA e na Europa. E sim, a Irlanda não se resume apenas ao U2, Enya e aos irmãos The Corrs, que também já estão devendo uma excursão por aqui.
* Por Léo Melo, querido e aficcionado por shows

Del Toro estréia na literatura com "Noturno"*

Recebi hoje o meu exemplar de “Noturno”, romance vampiresco lançado no Brasil pela Editora Rocco e que marca a estréia de Guilhermo Del Toro no universo literário. Aí você pergunta: Quem é esse mané? Pois bem, Del Toro é ninguém mais, ninguém menos que o cara escolhido para dirigir os dois filmes baseados em “O Hobbit”, obra que precede a saga de “O Senhor dos Anéis”. Ah, e ele já tem no currículo filmes como “A Espinha do Diabo”, “Blade II”, “Hellboy I e II” e “O Labirinto do Fauno”. Fraquinho o rapaz, não? O clima fantástico e assustador dos filmes do cineasta também marca presença em seu debut como escritor. “Noturno”, primeiro volume da “Trilogia da Escuridão”, narra de forma realista e aterradora uma invasão de vampiros em Nova York provocada por um vírus capaz de causar uma pandemia mundial. Com o perdão do trocadilho, não é de se espantar que o livro, escrito em parceria com Chuck Hogan, ganhe muito em breve uma adaptação para o cinema. Ainda mais com uma trama dessas!
* Léo Melo, amigo jornalista que jura que tb está virando vampiro

A conferir

Gente, vcs já viram?
- O presépio armado no Aterro
Lindo de morrer. Em tamanho natural, impressiona até quem não é turista.
- A cara do Teatro Municipal
Já disse que a chegada da minha xará, Carla Camuratti, deu vida nova ao espaço. Tá um deslumbrante!
- A barriguinha da Gisele
Tô para ver alguém engravidar tão discretamente quanto a moça. Até eu quando chegar minha vez vou querer exibir minha barriguinha...

Enrolada...................

Estou mega enrolada nestes dias. E ao contrário do que já rolou no passado tô cheia de inspiração, loca de vontade de escrever sobre os meus olhares sobre o mundo, o que vem acontecendo, detalhes do dia a dia que não passam despercebidos. Mas paciência!! Deixemos para depois...

quinta-feira, 12 de novembro de 2009

Mais Nando

Há exatos 20 dias fiz um post sobre Nando Reis. Seu poder de observação, sua voz miúda, suas letras certeiras. Sim, é uma paixão minha mesmo. Cada música é uma história, cada letra me remete a um momento da minha vida ou a vários, cada acorde me toca.
Ontem, tive o prazer de assistir a mais um show seu, na entrega do Prêmio Imprensa Embratel. Putz, momento indescritível! Começa devagar e se estende num crescente empolgante.
Fiquei chateada por não poder registrar uma imagem minha com ele no camarim, mas vá lá... Acabo de ver um vídeo dele na internet onde ele mesmo fala que não curte falar após a apresentação porque o oxigênio dele fica meio comprometido... rsrsr... Ok, Nando, não são todos os dias que os artistas querem tietagem. O show já valeu.
Banda afiada, instrumentos top de linha, backing vocals bonitas e eficientes, cenário maneiro, luz supimpa... E um Nando Reis nanico. Rsrs... Só ontem, aliás, notei sua baixa estatura. Estava na fila do gargarejo e tudo ali salta aos olhos. Mas, cá entre nós, ... o cara vira um gigante quando começa a tocar.
Teve "O Mundo é Bão, Sebastião", "Por onde andei" (que acho fantástica!!), "All Star" (uma das minhas preferidas), "Relicário", "No Recreio", "Luz nos Olhos", "Segundo Sol, "Os Cegos do Castelo" e até "Marvin".
O show com "os Infernais" não poderia ser diferente. Foi infernal!!
Saí de alma lavada, pés doendo e sem voz.
Que alegria poder ouvir Nando Reis!







Viola

Perdemos nesta semana um talento da fotografia: Geraldo Viola. Trabalhamos juntos diariamente por três anos e, depois, mais esporadicamente, por mais três ou quatro anos. Sorriso largo, olhos muito claros, sempre bem vestido. Não, não era o rei do bom humor. Talvez pela idade avançada e seu projeto de se manter ativo profissionalmente. Chega um momento que o negócio é mesmo parar e relaxar. Com ele, porém, não tinha essa...
Belas histórias da época da revista "O Cruzeiro". Belas histórias de um passado de quem viu muita coisa nesta vida...
Que Deus te abençoe, Viola.

quarta-feira, 11 de novembro de 2009

Um espetáculo de luz (ou falta dela)

E a Madonna, hein?! rsrs...
Durante a visita da rainha pop ao Rio, um black out de dar inveja a qualquer iluminador de seus mega shows. Foram 16 milhões de pessoas no escuro!!
Queridona, se quiser, a gente pode viabilizar um encontro seu com o Ministro das Minas e Energia. O cara, com certeza, vai te dar umas dicas de como repetir este espetáculo na sua próxima turnê pelo mundo afora.

O que vc fazia ontem quando rolou o black out?

* E, como sempre, rolam várias histórias quando acontece este tipo de problema na cidade. Lembro-me que em 1999 fiz uma matéria sobre o apagão que foi muito curiosa. Dez anos depois, cá estou eu de novo.
Quem diria?!

* E agora não há mais desculpa de que os reservatórios estão vazios, porque o que choveu no Brasil nos últimos meses daria para abastecer toda a população de sobra... A sensação é que nada muda mesmo no país. Dá até tristeza. Na época, falava-se de uma série de soluções, recalmava de termos um sistema interligado, que a transmissão tinha que vir de longe. Blah! Ciente de todas as dificuldades, nada foi feito.
Ontem, quem tinha um gerador era rei. Me lembrei até de "Ensaio sobre a cegueira".

* Como quase uma vidente, saí ontem da Lapa 10 minutos antes do apagão. estava no táxi voltando para minha residência quando tudo virou um breu. Pensei até que era uma coisa localizada, mas logo vi que não. por onde o táxi passava, casas e ruas às escuras. O caos. E o trânsito? Sem contar que ainda chovia - para completar o cenário. Dormi no calor (para mim, já é verão), mas graças a Deus o cansaço me salvou e apaguei logo.

* E vc? O que estava fazendo quando rolou o black out??

Luz? Que luz?

O título deste post foi sugerido pelo meu amigo de sempre, meu irmão camarada, Léo Melo. E tem tudo a ver com a nossa realidade. O anterior era "Faça-se luz!". Vi que realmente posso começar a ganhar dinheiro como vidente... mesmo que tenha sido obra do acaso.
Cagada das cagadas, o Rio ficou às escuras ontem. Depois da tragédia com o helicóptero da polícia no Morro dos Macacos, agora mais esta. Estamos mais uma vez nas manchetes dos jornais internacionais de maneira negativa. "Afinal, que porra de sede das Olimpíadas foi essa escolhida?". Putz!!
Vocês acham que existe alguma possibilidade de a decisão ser revogada? Sei, não... Cabralzinho e Lulinha Paz e Amor devem estar se coçando da cabeça aos pés.
Se continuar assim e com o verão que nos aguarda, o jeito vai ser - em vez de promover o Bolsa Celular, esta idéia idiota de distribuir telefones móveis para a população carente - inventar o Bolsa Luz para Todos, que consistirá na distribuição de velas e fósforos. E não somente para os mais carentes...

terça-feira, 10 de novembro de 2009

Faça-se luz...

Pois é, Madonna tá no Rio. A diva chegou de jatinho (emprestado pelo Eike Batista), tá hospedada no Fasano e já foi comer no Sushi leblon. Por onde passa, causa alvoroço. Dizem que veio fechar uma parceria de um projeto para ajudar comunidades carentes, assim como no Malawi.
Não sei, não...
Para mim, a moça tá aqui mesmo para pedir a mão de Jesus Luz em casamento. E, Jesus, eu a apoiaria de corpo e alma! O rapaz dá um caldo, né? Não sou remela, não, mas os olhos dele reluzem. E a barriga tanquinho?? Não sei se é bom de pegar, mas é bonito de se ver. Também com aquele nome, não poderia ser diferente...
E a loira tb não tem que deixar a peteca cair, não. Depois daquele papo de ter tentado se matar por causa de sua separação do diretor Guy Ritchie, tinha mesmo que dar a volta por cima. E deu mesmo. Trouxe luz para sua vida. O trocadilho é infame, mas é verídico.

Playboy

A Playboy de Fernanda Young já está nas bancas. E eu confesso que tô a fim até de comprar. Jornalista que é jornalista não pode deixar de ver este ensaio que, segunda a escritora irritadinha, vai mudar o conceito do nu nas revistas. Adorei! Aliás, adoro o tom ácido das frases dela. Eu tb adoraria posar, ganhar um dinheiro duca e dizer para todos que fez aquilo só para irritar a mãe - e olha que na idade que já estamos, né??

PS.: Duvido que Geisy Arruda não seja convidada para posar em uma destas revistas masculinas. E se eu fosse ela, aceitaria e colocaria na capa o que este bando de gente puritana achava que ela estava querendo mostrar na Uniban. Só que desta vez, não teria um monte de gente correndo atrás dela para agredí-la, mas para pedir autógrafo. O mundo é mesmo engraçado!

Pênalti

A vida tem sido cada vez mais corrida, mas tô na área. Se derrubar é pênalti!

sexta-feira, 6 de novembro de 2009

Momento mulherzinha

Ao mesmo tempo em que reclamo dos hematomas causados pelo boxe, que estão me consumindo, estou descobrindo um lado mulherzinha adorável em mim. Depois do início do uso da maquiagem, comprei hoje minhas primeiras pulseiras. Minhas novas companheiras de trabalho adoram e abusam de balangandãs que nunca foram o meu forte... mas hoje resolvi experimentar. E há algo melhor do que isso??
Adorei!
Não sei se vou me acostumar com esta nova versão dos meus braços, mas é fato que quem me vir no finde vai poder constatar a nova fase.
Ser mais um pouquinho mulherzinha!!

Rio 40 graus

Que me desculpem aqueles que amam o verão, mas sinceramente o Rio de Janeiro tá parecendo o centro do inferno. Um calor duca!! Ontem, fez 40 graus; a previsão para hoje é 38 graus. Quem vai suportar isso?? Deus nos livre.
Não gosto nem de pensar que ainda não chegou a estação mais quente do ano.

quinta-feira, 5 de novembro de 2009

De volta aos meus 13 anos*

Daqui a algumas horas farei uma viagem no tempo. Mais precisamente ao ano de 1991. Ano em que eu, então com 13, cursava a sétima série do antigo ginásio (hoje ensino fundamental) e tomava chumbo em matemática, a ponto de ficar em recuperação. Diga-se a primeira e única de minha vida estudantil. Ano em que a MTV ainda dava seus primeiros passos no Brasil. E por meio dela, eu e milhares de jovens éramos apresentados a bandas de grande sucesso na época como o Guns n’ Roses, Skid Row, INXS e o Faith No More, que toca nesta quinta-feira (05/11) no Rio. Para mim, esta noite será histórica. Será a primeira vez que verei um show da turma liderada pelo elétrico vocalista Mike Patton. No auge do sucesso, naquele ano de 1991, o FNM foi uma das atrações do Rock In Rio 2, no Maracanã, que eu não pude ir. Infelizmente. Mas hoje é o dia de pagar essa dívida comigo mesmo. É o dia de saldar essa dívida com o meu passado. É o dia de voltar aos meus treze anos e cantar a plenos pulmões clássicos como “Falling To Pieces”, “Ashes To Ashes” e “Epic”. Só que agora não mais em frente à TV ou do aparelho de som.
* Do meu amigo Léo Melo, fã incondicional de FNM

Sobre o passado

Hoje é uma data histórica. Comemoro cinco anos de separação. Digo que comemoro pq acho que é um momento bacana realmente. Me refiz, me reinventei, tô feliz de novo. Não foi fácil, principalmente os primeiros dois anos, mas hoje vejo que foi o melhor. Para todos, por tudo. O caminho foi árduo, mas precisava ser percorrido.
Se alguém me perguntasse naquela época cinzenta o que eu estaria fazendo ou quem eu seria dali a cinco anos eu choraria. Não tinha idéia do resultado daquele momento. Mágoa, tristeza, dor... Uma imensidão de sentimentos misturados e incompreensíveis. Durante muito tempo, fui uma estranha dentro de mim mesmo. Não havia lugar para mim. Não enxergava a luz no fim do túnel. Tive que descobrir uma força em mim que nem eu mesma sabia que existia. Tive que rever meus conceitos, meus erros. Tive que reagir. E reagi...
Pois bem, estou aqui. Prazer, Karla. Apostei numa casa nova e na dedicação ao trabalho, conquistei outra vida e novos amigos, consertei os dentes e a bússola da minha vida, adotei um cãozinho e outros sonhos, encontrei outros objetivos e um novo amor, tingi os cabelos de louro e o meu céu de azul.
Rsrs... Afinal, estava viva! Estou viva!
É curioso olhar o passado e ter a exata noção de que muitas vezes o nosso algoz é quem nos abre as portas de uma vida melhor. Uma visão que nos é impossibilitada enquanto ainda estamos feridos, mas que depois fica tão nítida. Isso é ser adulta, é estar em premanente estado de crescimento. É saber que podemos ser várias e uma melhor do que a outra (ou não), mas que estamos tentando, que isso é infinitamente superior a estar parada, estagnada no tempo.
Deus foi bom para mim. A terapia também. Minha família e meus amigos... Putz, não há palavras para definir sua presença na minha vida.
Agora, é seguir em frente. É colher os louros e semear outros.
É isso aí.
Viver, valeu!
Sempre.

Cinema para todos

Finalmente o cinema vai chegar a todos deste Brasilzão. Ontem, o Ministério da Cultura e a Agência Nacional do Cinema lançaram o projeto Cinema da Cidade para construir ou reabrir cinemas em cidades de pequeno e médio porte (entre 20 mil e 100 mil habitantes). A providência é mais do que bem-vinda: dos 1.371 municípios brasileiros com essa população, apenas 194 possuem salas de cinemas. Uma vergonha!!
Para participar, as prefeituras devem apresentar à Ancine o projeto de construção ou recuperação das salas de cinema. Uma vez contemplada, a prefeitura deverá selecionar, por edital público, uma empresa exibidora para a gestão do complexo. A Ancine repassará os recursos às prefeituras municipais.
Agora é só trabalhar.
Chega de igrejas da Universal!!!!!

terça-feira, 3 de novembro de 2009

Dinho

Sempre me espantou a vitalidade de Dinho Ouro Preto. Me lembro de ter ido a um show do Capital Inicial e ter ficado surpresa com sua atuação no palco. No retorno da banda, após anos no ostracismo, o cara parecia um adolescente, tamanha a inquietude, a alegria, o tesão de estar no palco de volta. Afinal, quem era aquele cara que emerge das cinzas do Capital?
É fato que o Capital faz parte da história do rock nacional, nasceu do mesmo ninho que o Legião, a Plebe Rude e até (por que não?) o Paralamas. Sempre teve um repertório denso, politizado, cheio de ironias. E não poderia ser diferente. Mas aquele Capital pilotado por um Dinho rejuvenescido 400 anos era diferente, era pop, era viril, era para fazer dançar.
Energia pura!
Houve até uma época que o disco dos caras virou habitué do meu rádio.
Quero mais Capital.
Força, Dinho!

sexta-feira, 30 de outubro de 2009

Quem? eu?

Qual é a hora de ceder? E qual é a hora de fincar pé? Hoje, conversando com uma amiga, vi o qto somos egoístas. Já aconteceu em algum momento da vida de vc estar reclamando de algo na sua relação que era exatamente o que te fazia feliz no anterior? Ou o contrário?
Pense nisso.
Não tire o seu corpo fora. A vida é assim mesmo.
Imagine que o atual namorado só gosta de eletrônico e ela de samba. Ele quer levá-la e ela prefere bater o pé e negar o convite... Exatamente como o ex, que ela tanto censurava, fazia. Será que a falta de memória é mera conveniência? Às vezes, acho que sim. E mais: às vezes, acho que tem que ser. Mas de vez em quando, convenhamos, faz um bem danado lembrarmos do passado. É com ele que aprendemos e nos preparamos para seguir um caminho diferente.

quarta-feira, 28 de outubro de 2009

Megan ‘pra casar’ Fox! *

Estrela do filme “Garota Infernal”, lançado nos cinemas na última sexta-feira, Megan Fox é A moça para casar. De fato. Sensação do momento em Hollywood e sonho de consumo de muitos marmanjos (me incluo na lista..hehe), a atriz é linda, nerd assumida, porra-louquinha e ainda por cima curte rock n’ roll. A foto ao lado não me deixa mentir. Nela, a gata posa usando uma camiseta da banda Mötley Crüe durante a pré-estréia de “Juno”, em 2007, vencedor do Oscar de Melhor Roteiro Original, escrito por Diablo Cody. Coincidentemente, Cody, uma ex-stripper, é quem assina a trama do novo filme de Megan, que mostra a bela morena de olhos azuis como uma líder de torcida que, literalmente, vira o capeta.
* Por Léo Melo, meu amigo e tarado por Megan Fox

Sou uma dálmata!

Acho q a imagem ao lado já diz muito o que está acontecendo comigo, né? Sem comentários.

terça-feira, 27 de outubro de 2009

A alegria em pessoa

Vocês conhecem alguém que personifique a alegria? Alguém de quem queremos sempre a companhia, dona de uma energia inigualável, com um sorriso amigo e um abraço de urso que tomam conta de onde quer que esta pessoa chegue? Eu conheço.
E olha que já a conheço há anos, mas qto mais tempo passa, mais fico apaixonada por ela. É uma mistura de tudo o que de melhor já vimos e, ao mesmo tempo, do que nunca vimos. É tênis com terno. Acarajé e sushi. Chuva com arco-íris. Tudo isso junto e misturado, temperado com pimenta e cheio de balangandãs. Mulher de fibra, bonita, doida, charmosa, engraçada, espalhafatosa, inteligente, bem resolvida... Eu quero ser igual a ela quando eu crescer!!
Sou a herdeira dos tênis All Star (minha tara) dela. Os lindinhos começam a apertar, ela logo me envia. Um luxo. Mas principalmente quero herdar dela é o bom humor. Porque assim a vida é mais leve, é mais bonita, é mais fácil de ser levada.
Querida Marcinha, vc é admirável! É impressionante a força que emana de vc, seu apoio, seu amor. Continue sempre, sempre, sempre assim. Seu astral faz dos nossos encontros cada vez melhores.
Este depoimento é feito aqui para que a grande rede o guarde para a posteridade. E faço estas palavras do Dani tb, porque sei que ele pensa como eu. E isso independe de laços de sangue.
Amamos vc!

Porrada

Eu sei que fui avisada, mas não pensei que fosse rolar tão rápido. Além do cansaço e da correria, agora tenho que conviver com a dor nas costas. Pois é... Saí hoje do boxe com as costelas em frangalhos. Tomei tanta canelada que sei que amanhã estarei cheia de hematomas. Como disse meu instrutor, "o negóico agora vai ser explicar para o namorido que sou quase um dálmata".

O tempo urge

Confirmo que às vezes é gostoso correr. Correr contra o tempo, sabe? Correr por correr só tem graça por conta da perda de calorias. Fora isso... Mas saber que se tem dia e hora para terminar algo é até estimulante.
Posso dizer que como jornalista estamos acostumados a trabalhar sob pressão, com os chefes gritando nos nossos ouvidos e o cérebro que só pensa na linha de chegada. No início, não foi fácil, mas hoje o mundo pode cair ao meu lado que eu simplesmente desligo e não ouço nada no entorno. Houve uma época que para eu pegar no tranco uma chefe queridíssima me jogava bolinhas de papel, canetas e até um sapato, uma vez. Agora, sou mais rápida. Na verdade, ligo (ou ligamos) o automático. Para fazerum texto trabalhado, precisamos de mais tempo, mais tesão, mais leitura e cuidado, mas para o dia a dia basta uns minutinhos e uma leitura rápida na apuração.
A questão é que nos últimos dias quase tudo o que faço se resume a coisas especiais. E tenho que dar conta de tudo, já que me propus a ganhar um dinheirinho a mais, ter mais satisfação. Então, o tempo quase "ruge" mesmo atrás de mim para que eu acelere o passo. Foda!!
A correria é tanta que às vezes penso que o relógio está contra mim. Corto o horário do lanche, do almoço, cigarrinho e bate-papo. Sem chances. Ou é assim ou é nada. Ufa, já acordo cansada...

segunda-feira, 26 de outubro de 2009

Preces ouvidas

Putz, tô numa correria tão grande que estou precisando de mais umas horinhas no meu dia para dar conta de tudo. Bom por um lado, péssimo pelo outro. Hoje, amanheci com o pescoço duro. Nada que um dorilax não resolva, mas é chato. Estou envolvida até os últimos fios de cabelo em frilas e trabalho do bom na empresa. Graças a Deus, foram ouvidas as minhas preces.
É cansativo, mas vamu-ki-vamu!!

sexta-feira, 23 de outubro de 2009

Neste finde...

O finde que começa hoje promete. Vai ter de tudo na cidade. Tem Arnaldo Antunes no Circo e a diva Maria Bethânia no Canecão, tem a "Tartaruga de Darwin", no Teatro Sesi (sucesso absoluto) e a estréia de "Substitutos", o mais novo filme de Bruce Willis nas telonas, tem até Fashion Rocks, o evento de moda e música mais caro do mundo inteiro e do exterior, no Jockey. Diante de tantas opções, não rola de ficar em casa.
No sábado, porém, opte pelo melhor: Daniel Pereira no Balneário da Lapa. Coisa boa, barata, divertida. Samba que agrada a todos os gostos, chope artesanal, comidinhas nota 10 e gente bonita.
Quer mais? Aguarde.
Bjo e belo finde a todos.

Dor

Tá bom, tá bom... Nada poderia ser perfeito. Amanheci com uma dor do cacete na panturrilha e logo abaixo do peito. Culpa dos exercícios e socos de ontem...
Preciso me recuperar no finde.

O melhor do rock farofa

Em vez de "The Circle", o novo cd do Bon Jovi poderia se chamar "A Volta dos que Não Foram". Pois é, o que era para ser um último disco, uma despedida, virou recomeço e o tal álbum chega com tudo dia 10 de novembro. Eu não posso reclamar, pelo contrário. Para mim, a banda é uma das melhores do rock farofa. É música para trilha de cinema, comercial de cigarros e bom pacas para curtir no carro, quando estiver na estrada. Sem contar que o Jon "Bom" Jovi é um tesão, com desculpa da palavra...
Como se já não bastasse, os caras que iam se separar resolveram renovar os votos depois de uma porradaria doida na última turnê. Dizem que agora vão pegar masi leve no trabalho para terem tempio de se dedicar às esposas e filhos. Que guti-guti!! O tour roda por 30 países.
Desembarcam aqui no fim de 2010. Delícia das delícias...



quinta-feira, 22 de outubro de 2009

Menina de ouro

Aviso aos navegantes: sou a mais nova Menina de Ouro (lembram do filme??) do pedaço. O que isso quer dizer? Debutei hoje no boxe. Uau!! E pela primeira vez, comecei a fazer uma atividade que eu gostei. Meu Deus, será que tenho jeito? Será que é realmente possível gostar de se exercitar? Logo eu, uma reles mortal...
É fato que a aula foi leve. Teoria, movimentos lentos, atenção redobrada do professor. O cuidado para evitar lesões é o máximo! Já me avisaram que não corro o risco de chegar no trabalho com um olho roxo, mas o resto do corpo todo pode doer. Por enquanto, nem sinal de dor em nada, mesmo eu tendo ficado os últimos minutos da aula socando e chutando o instrutor que se escondia atrás de uma almofadinha (que eu não sei o nome ainda!). Murros e pontapés elogiados - já ouvi que tenho jeito para ser uma boxer, comecei a me sentir um pouco a Hillary Swank. É a glória, pensei.

Tô empolgada. Suei um bocado, me diverti, me desestressei da noite mal dormida. Pois é... Ando sofrendo de um mal que nunca pensei me atingir: a insônia por pensar demais. Aliás, nem pensei no sono, mesmo tendo acordado ainda à noite.

Estou convencida de que isso é só começo. Academia é sempre a mesma merda. Um monte de mulheres com a bunda sarada, uns carinhas que se comem pelo espelho, um cheiro de álcool de limpeza dos equipamentos, banheiros coletivos onde nunca há lugar para ficar à vontade... mas pelo menos gostei da nova atividade. E olha que nem comecei a bater nos sacos!

Serenidade

Aos aprendizes da vida, como eu:

"Meu Deus, dá-me a serenidade para aceitar as coisas que não posso mudar, coragem para mudar o que está ao meu alcance e sabedoria para que eu saiba a diferença entre ambas."

quarta-feira, 21 de outubro de 2009

Nunca falei aqui da minha paixão por Nando Reis e sua obra. Para mim, um poeta dos dias de hoje. Já não temos Cazuza, não temos Renato Russo, mas temos Nando. Cada um no seu quadrado.
Ninguém nega a precisão cirúrgica das palavras dele. Nunca ouviu? Não sabe o que está perdendo. Tem canções que não se encaixam, que não rimam, que parece que falam demais e ainda assim são certeiras. Tem um destino: o coração.
E nem adiante se armar com preconceito contra sua voz. É claro que prefiro suas canções cantadas por outros intérpretes: Cássia Eller (outro ídolo), Skank, Jota Quest, Titãs e por aí vai. Mas vcs sabem que já até acostumei com sua voz pequenininha?!... É o que há.
Tenho duas canções preferidas na vida: uma é dele, Os Cegos do Castelo. Uma declaração de amor modernosa, forte, cheia de personalidade.
Cada letra, uma história. Cada canção, um ritmo experimental. Coisas do dia-a-dia e detalhes que nos passam despercebidos. Sublime o poder da observação. Isso é Nando Reis.

Os Cegos do Castelo

Eu não quero mais mentir
Usar espinhos Que só causam dor
Eu não enxergo mais o inferno Que me atraiu
Dos cegos do castelo Me despeço e vou
A pé até encontrar Um caminho, um lugar Pro que eu sou...
Eu não quero mais dormir
De olhos abertos Me esquenta o sol
Eu não espero que um revólver Venha explodir
Na minha testa se anunciou
A pé a fé devagar Foge o destino do azar Que restou...
E se você puder me olhar
Se você quiser me achar
E se você trouxer o seu lar...
Eu vou cuidar
Eu cuidarei dele
Eu vou cuidar... do seu jardim...
Eu vou cuidar
Eu cuidarei muito bem dele
Eu vou cuidar...
Eu cuidarei do seu jantar
Do céu e do mar
E de você e de mim...

Sutilmente
(Com Samuel Rosa)

E quando eu estiver triste
Simplesmente me abrace
Quando eu estiver louco
Subitamente se afaste
Quando eu estiver fogo
Suavemente se encaixe
E quando eu estiver triste
Simplesmente me abrace
E quando eu estiver louco
Subitamente se afaste
E quando eu estiver bobo
Sutilmente disfarce
Mas quando eu estiver morto
Suplico que não me mate, não
Dentro de ti, dentro de ti...
Mesmo que o mundo acabe, enfim
Dentro de tudo que cabe em ti...


As coisas tão mais lindas
(Com Cássia Eller)

Entre as coisas mais lindas que eu conheci
Só reconheci suas cores belas quando eu te vi
Entre as coisas bem-vindas que já recebi
Eu reconheci minhas cores nela e então eu me vi
Está em cima com o céu e o luar
Hora dos dias, semanas, meses, anos, décadas
E séculos, milênios que vão passar
Água-marinha põe estrelas no mar
Praias, baías, braços, cabos, mares, golfos
E penínsulas e oceanos que não vão secar
E as coisas lindas são mais lindas
Quando você está
Hoje você está
Onde você está
As coisas são mais lindas
Porque você está
Onde você está
Hoje você está
Nas coisas tão mais lindas

Ressaca

Saí ontem com um amigo. Divertidíssimo. Bebemos horrores e até agora ainda sinto os sintomas do excesso!... Ui!
Segundo ele, a imagem de paraíso é um amigo para conversar, uma mesinha confortável, uma cerveja gelada e um maço de cigarros. Bela imagem!!

Energia

Ontem tive um sonho com uma amiga que não via há tempos. Trabalhamos juntas durante um período e depois o mundo nos separou. Hoje, sou assessora. Ela, repórter. Temso até amigas em comum, mas nunca mais nos vimos. Como sou daquelas que acreditam no esotérico, enviei uma mesnagem para ela explicando que apesar de não nos vermos quase nunca tinha ficado preocupada com ela por conta do sonho. Curioso é sonhar com alguém distante.
E ela me disse que não podia reclamar da vida, mas que andava triste.
Fiquei surpresa com a sintonia...
A energia do ser humano realmente é uma coisa incrível!

terça-feira, 20 de outubro de 2009

Dúvidas

Nossas dúvidas são traiçoeiras e nos fazem perder o bem que poderíamos conquistar, se não fosse o medo de tentar.
(William Shakespeare)

Em Miami


Sou mais Don Johnson do que Colin Farrell. Sem comparações. Mas, sim, Jamie Foxx é infinitamente melhor do que Philip Michael Thomas. A culpa é dos anos 80 e todo o exagero em figurinos, maquiagens e cenários? Pode ser, mas minha idéia de juntar o primeiro com o segundo preferido - cada um na sua película - fica aqui registrada.
Quem gosta de ação, e aqui me incluo como uma seguidora de filmes nesta linha nos últimos tempos, não vai se arrepender de ver Miami Vice - o filme. Não é uma versão fidelíssima do que acompanhamos na TV, mas sim uma releitura modernosa. Dirigido por Michael Mann (do filme Colateral, lembra? ), Miami Vice ainda mostra o violento dia-a-dia de dois detetives nas ruas da cidade norte-americana que dá nome ao filme. Sonny Crockett (Colin Farrell) e Ricardo Tubbs (Jamie Foxx) tb ainda estão lá, trabalhando disfarçados. Descolados, elegantes e charmosos em seus ternos bem cortados e seu carro conversível, tb continuam percorrendo uma Miami que conhecemos bem em outros filmes, mas não pense em imagens ensolaradas, o tradicional bom humor dos diálogos, uma galera andando de patins na orla, "moças" de biquini dando mole para qq um dos nossos protagonistas. Aqui o buraco é mais embaixo. E dá-lhe tiros, tráfico de drogas, traições, sexo, bandidos e mocinhos à vera.
Eu prefiro a série. Não só pelo Sonny original - que ganha de goleada do cafona feito por Farrell (já numa época conturbada em função das drogas), mas pela leveza do roteiro. Porém a nova versão ganha na trilha sonora. A atual traz músicas de nomes de destaque mundial, como um cover de "In The Air Tonight", de Phil Collins, e tem ênfase na música eletrônica, o que tem tudo a ver com a história.

segunda-feira, 19 de outubro de 2009

É o Rio!

O fim de semana foi marcado pela violência na cidade e a escolha dos sambas que serão levados para a avenida no carnaval 2010. Ao mesmo tempo em que fiquei feliz em ver que amigos e conhecidos faturaram a vitória, fico triste em ver minha cidade - recém-eleita sede das Olimpíadas - se afogando neste mar de tristeza.
Mas enfim vamos em frente.

Pílulas
- Meu querido amigo Ciraninho e cia são os campeões pela quarta vez consecutiva do samba da Portela. A água azul-e-branca entra na avenida em 2010 ao som do enredo: "Derrubando fronteiras, conquistando a liberdade... Rio de paz, em estado de graça!". Parabéns!

- Na Mangueira, com o enredo Mangueira é Música do Brasil, os campeões foram Renan Brandão, Machado, Paulinho Bandolim e Rodrigo Carioca. A galera mereceu!!

sexta-feira, 16 de outubro de 2009

Finde chegando...

Fim de semana já começa hoje - agitado, agitado.
Para início de conversa, minha Portela escolhe nesta noite o samba-enredo para 2010. A festa na quadra de Madureira começará com a apresentação do primeiro casal de mestre-sala e porta-bandeira da agremiação, Rogério Dornelles e Lucinha Nobre. Desculpa a sinceridade, mas estarei lá - batendo cartão, finalmente - para torcer pelo meu amigo querido Ciraninho e sua trupe. A disputa promete ser acirrada, mas o tetra chegará! O balaco começa às 20h, mas acho q o bom mesmo é chegar um pouco mais tarde porque o resultado só sai só-Deus-sabe-a-hora.
No sábado, mais um show do meu querido Daniel Pereira no mais novo point da Lapa: Balneário. O som começa às 22h30, mas - ao contrário da Portela - a dica é chegar cedo para pegar mesa e ir conhecendo os petiscos da casa. Uma delícia. O clima é bom, gente bonita, cerveja gelada.
No domingo, descanso pq ninguém é de ferro.
Bjo para quem é de beijo.

Sobre Fernandona

- Hoje, Fernanda Montenegro completa 80 anos. Que alegria é ainda vê-la atuando, forte, certa de ter dedicado toda uma vida aos palcos. Parabéns à Grande Dama do Teatro!

- Imperdível, aliás, a edição do Segundo Caderno de hoje feita por e em homenagem À Fernandona. Acredita que ela pautou, escreveu, editou o caderno? Fantástico. Grande idéia do Xexéu. O resultado é uma edição para guardar para a posteridade.

- Vale ressaltar aqui a entrevista com Nathália Timberg, uma das minhas favoritas, à Fernandona na página central. Ambas começaram juntas, fizeram bonito em suas carreiras e chegam aos 80 ao mesmo tempo.
Palmas para as duas!!






Melhor é impossível

Você assistiu "Melhor é Impossível"? O filme é de 1997 e é estrelado por Jack Nicholson. O título não caberia melhor em outra pessoa. Cada filme que faz o cara fica melhor. E isso mesmo longe das caretas de "Lobo" e "Batman", quando fez o Coringa. Não por acaso ele já foi indicado ao Oscar 12 vezes, tendo vencido três delas.
Se vc é um apaixonado pelo trabalho de Nicholson como eu, não pode perder "Confissões de Schimidt", do original "About Schimidt". Na fita de 2002, Nicholson mais uma vez dá um banho de interpretação. O roteiro é bárbaro e ele deita-e-rola nele. Ainda deixa um pouco para a extraordinariamente sem pudores Kathy Bates, mas não dá para negar que a película é de Nicholson.
Ele vive Warren Schmidt, um homem de 60 anos que vive um casamento rotineiro, e acaba de se aposentar. Ele também tem uma filha adulta, que mora longe, e que está se preparando para casar com um homem que Schmidt não considera à altura dela. Procurando sair da passividade, Schmidt resolve entrar numa campanha de ajuda à crianças africanas e passa a se corresponder e mandar dinheiro para uma delas, que conhece apenas em fotos. Nas cartas, ele conta sua vida e fala da família e também fica sabendo o mesmo do garoto que ajuda. Schmidt fica viúvo repentinamente, e então resolve partir em viagem num trailer, tentando encontrar um sentido na sua vida e fazer alguma coisa útil, pelo menos na concepção dele: impedir que a filha se case. E aí a história se desenrola. Atenção para o detalhe: não há efeitos especiais, choradeira, medo... mas um conto da vida real que nos faz pensar realmente em no que nossa existência interfere no mundo. E é claro que tem cenas engraçadas, bem ao estilo Nicholson de ser.
Indicado ao Oscar 2003 nas categorias de Melhor Ator (Jack Nicholson) e Melhor Atriz Coadjuvante (Kathy Bates), vencedor do Globo de Ouro nas categorias de Melhor Ator (Jack Nicholson) e Melhor Roteiro de Filme Dramático e indicado por Melhor Diretor - Cinema, Melhor Filme - Drama e Melhor e Melhor Atriz Coadjuvante - Cinema (Kathy Bates).

quinta-feira, 15 de outubro de 2009

Contos de fadas da nossa época

Há bem pouco tempo, eu estava com uma vontade louca de escrever um livro. Confesso que a vontade me assola frequentemente, mas em função da correria do dia-a-dia já não penso como antes... Acho que o grande momento ainda vai chegar. De qualquer forma, naquele momento, conversei com algumas amigas e fechei potenciais parcerias. Com uma delas, fui até mais longe: fiz pesquisa, conversei com mães modernas, vasculhei minha memória infantil. Renatinha (a ex-colaboradora deste espaço e minha sócia no tal projeto na época ) tinha uma idéia sensacional - inspirada na sobrinha dela - que aos pocuos fomos formatando: escrever os contos de fadas mais tradicionais com a cara da atualidade.
Ou seja, aquele negócio de "E foram felizes para sempre", nem pensar. Ninguém é feliz para sempre, até pq seria muito chato se fosse assim. Temos momentos muito felizes, outros nem tanto; uns em que queríamos nos jogar no poço; outros só um pouquinho; uns que se dependesse de nós teríamos festas, homens poderosos e prosecco diariamente; e outros que uma pipoquinha, uma sessão da tarde e uma boa companhia fariam milagres embaixo do edredom.
A idéia continuou lá, guardadinha, sendo alimentada vez ou outra, mas nunca saiu do papel.
Hoje, a Carolzinha, nossa outra ex-colaboradora, surpreendentemente me enviou duas histórias bem a cara deste projeto, que resolvi publicar aqui. Ela disse que eram do Veríssimo, mas todos os textos da grande rede recebem a assinatura dele ou do Jabor para ganhar credibilidade, sinceramente não vou me atrever a botar minha mão no fogo pela procedência.
De qualquer forma, são fantásticos. Confira:

1) Conto de fadas para mulheres do séc. 21
Era uma vez uma moça que perguntou a um lindo rapaz:
- Você quer casar comigo?
Ele respondeu:
- NÃO!
E a moça viveu feliz para sempre, foi viajar, fez compras, conheceu muitos outros rapazes ,transou bastante, visitou muitos lugares, foi morar na praia, comprou outro carro, mobiliou sua casa, sempre estava sorrindo e de bom humor, nunca lhe faltava nada, bebia cerveja com as amigas sempre que estava com vontade e ninguém mandava nela.
O rapaz ficou barrigudo, careca, o pinto caiu, a bunda murchou, ficou sozinho e pobre, pois não se constrói nada sem uma MULHER.
FIM!!!

2) Conto de fadas para mulheres do séc. 21
Era uma vez, numa terra muito distante, uma linda princesa independente e cheia de auto-estima que, enquanto contemplava a natureza e pensava em como o maravilhoso lago do seu castelo estava de acordo com as conformidades ecológicas, se deparou com uma rã.
Então, a rã pulou para o seu colo e disse: - Linda princesa, eu já fui um príncipe muito bonito. Mas uma bruxa má lançou-me um encanto e eu transformei-me nesta rã asquerosa. Um beijo teu, no entanto, há de me transformar de novo num belo príncipe e poderemos casar e constituir um lar feliz no teu lindo castelo. A minha mãe poderia vir morar conosco e tu poderias preparar o meu jantar, lavarias as minhas roupas, criarias os nossos filhos e viveríamos felizes para sempre...
E então, naquela noite, enquanto saboreava pernas de rã à sautée, acompanhadas de um cremoso molho acebolado e de um finíssimo vinho branco, a princesa sorria e pensava:
- Nem fo...den....do!
FIM!!!

Venda a bordo

Meu querido Ancelmo Góis (e sua tchurma) deram hoje uma nota de deixar a gente de cabelo em pé. A Gol inicia hoje em seus 37 vôos a venda de lanches e bebidas. A cerveja - para quem gosta - vai custar R$ 5; água e café, R$ 3; um sanduba, R$ 10. Segundo a coluna, o serviço normal continua, mas queria saber o que eles vão nos servir. Amendoins e barras de cereais devem continuar. E para beber?? Já que estão vendendo água e café, devem servir ki-suco!
Diante disso, acho que podemos levar um sanduba de casa, não?? Quando a aeromoça vier nos servir amendoins, a gente saca do nosso pão-com-mortadela da bolsa e agradece: "Não, obrigada, trouxe o meu na lancheira!"
Me lembro que quando a Gol foi criada dizia-se que a comidinha era um miserê só porque os preços eram populares. Balela! Qualquer um que vai viajar pode fazer uma pesquisa e verá que a Web Jet, a Azul e até a Tam têm preços bem parecidos. Aliás, eu indico a Web Jet a todos os amigos. O serviço é de primeira, não tem atraso e um bom sanduíche acompanhado de suco é servido por menor que seja o trajeto.


Sorry!

Quero pedir desculpas ao smeus nove leitores por causa da minha ausência. Quase uma semana sem pintar por aqui. E não foi por falta de assunto - aliás, o que mais tenho na caixola é tema bom para bate-papo. A questão é a falta de tempo. Este negócio de assessora-produtora-namorida-filha-dinda de cachorrinho é foda... Realmente, não estou dando conta.
Sorry!

sexta-feira, 9 de outubro de 2009

Samba do bom

Para quem não dispensa um samba, aviso aos navegantes que tem "do bom" na Lapa e na Gamboa, neste sábado e domingo, respectivamente. Quem canta? Só podia ser ele: Daniel Pereira.

Amanhã

Este finde promete, mesmo com chuva.
Aliás, essazinha quer estragar nossa festa, mas me recuso a dar trela para ela. Ainda mais que não tá frio, então... Chuva sem frio é coisa de gente chata mesmo.
Comprei roupa nova e tive que comprar outra por causa do tempo mau humorado que está fazendo.
Amanhã vou para o batizado do mascote da minha tchurma lindinha... Estamos todos excitados. É uma emoção grande. João é a criança mais simpática que conheço. Uma delícia. Meu digníssimo é padrinho. Imagina, então... O prejuízo no bolso vai pesar, mas que se dane.

Kip Winger: hard rock oitentista na Tijuca

Líder da banda batizada com seu sobrenome, Kip Winger é a voz de uma das baladas mais famosas do rock na virada da década de 1980 para a de 1990. A açucarada “Miles Away” virou hit e ficou popular no Brasil como tema dos inesquecíveis comerciais do cigarro Hollywood. Agora, o público carioca terá a oportunidade de conferir esse e outros grandes clássicos do Winger ao vivo. Pela primeira vez no Rio de Janeiro, o baixista e vocalista faz show acústico neste sábado, 10 de outubro, no Bar Calabouço, na Tijuca. No repertório, o músico norte-americano também apresentará canções de sua carreira solo. Imperdível! Relembre abaixo o hit “Miles Away”, do álbum "In The Heart Of The Young" (1990).

http://www.youtube.com/watch?v=JMKPQKU61Q990

Zazá

No começo da semana estava às voltas com algo romântico para fazer a dois. Um restaurante, um barzinho ou qq coisa do gênero. As amigas me deram indicações, somei à pesquisa da internet, li uns comentários em revistas e optei pelo Zazá Bistrô. A curiosidade já vinha há tempos e aproveitei a oportunidade para conhecer o local.
Na verdade, como diria uma das minhas queridas, a casa não é exatamente romântica, mas de tão aconchegante dá vontade de ter uma boa companhia para dar uns beijos na boca enquanto nos deliciamos com os quitutes do lugar. Reservei uma mesa no segundo andar, conforme sugerido. Logo que chegamos, é preciso tirar os sapatos. O ambiente é iluminado à luz de velas. Do teto, pendem fadas, flores e utensílio de cozinha. Engraçado. As mesas são baixas e as cadeiras tradicionais dão lugar a almofadas e acolchoados. Um ambiente gostoso, tranquilo, relaxado.
Pedimos um vinho e umas entradinhas chamadas Samosas - um pastelzinho apimentado (como tudo ali, o que eu adoooooooooooro), com recheio de frango e um chutney de manga para acompanhar. O vinho era muito seco, mas a entradinha... Muito boa.
Deixamos nos perder naquele climão e pedimos logo depois um couvertzinho, que vem com uns pãezinhos torrados, uma pastinha apimentada e umas conservas. Mais vinho, papo bom, conforto, relax. Ah... e uma sopinha de batata baroa, que é uma coiiisa!!
O jantar?? Bem, não tivemos condição de comer mais. Nem de beber, pois partimos para mais meia garrafa e perdemos a noção do tempo.
Fomos os últimos a sair certos de que voltaremos.

terça-feira, 6 de outubro de 2009

Papo amigo

Ontem tive um papo amigo com uma jovem senhora que tem muito o que ensinar. É bom quando nos demos conta de que pessoas que estão a quilômetros-luz de nós em termos de vivência têm o mesmo pensamento, acreditam nas mesmas atitudes. Assim, tenho certeza que aprendi algo, que não estou por aqui só a passeio. E isso para mim é primordial.
Já disse aqui que sou fã de Martha Medeiros e esta senhora me disse coisas que me remeteram à escritora. Ambas sábias, com uma enorme capacidade de ver a vida pelo viés mais real. "Vamos deixar para sofrer pelo que é realmente trágico, e não por aquilo que é apenas um incômodo, senão fica impraticável atravessar os dias".
A idéia - segundo ela - é ser mais leve, mais relaxada, mais feliz mesmo. Se não foi como vc queria, paciência. Se vc ouviu palavras injustas, vamos em frente. Se não te valorizaram, faz parte. O negócio é não desanimar. Digerir cada ação e entender seu significado (ou não) para nossas vidas. E isso não é manual de auto-ajuda. Acompanhei histórias de gente que foi se amargurando, levando tudo em ponta de faca, guardando tristezas que não levam a nada e adoeceram.
Vale ter em mente que "é importante cultivar afinidades, mas as desafinações ensinam bastante. No mínimo, nos fazem dar boas risadas.Vale amizade com executivo e com office boy, com solteiros e casados, meninas e mulheraços, gente que torce para outro time e vota em outro partido.Vale sempre que houver troca. " Nada é perfeito mesmo e, a partir do momento que aceitamos isso, a vida se torna melhor, nos tornamos pessoas melhores, mais tolerantes, mais de bem com o mundo que nos cerca.
Sobre o amor, mais ainda. "Amor não é se envolver com a pessoa perfeita, aquela dos nossos sonhos. Não existem príncipes, nem princesas. Encare a outra pessoa de forma sincera e real, exaltando suas qualidades, mas sabendo também de seus defeitos. O amor só é lindo, quando encontramos alguém que nos transforme no melhor que podemos ser."
"Em tempos em que quase ninguém se olha nos olhos, em que a maioria das pessoas pouco se interessa pelo que não lhe diz respeito, só mesmo agradecendo aqueles que percebem nossas descrenças, indecisões, suspeitas, tudo o que nos paralisa, e gastam um pouco da sua energia conosco, insistindo." E agradecer por isso é o mínimo que podemos fazer, né??
E ainda assim, se nada disso for o suficiente para nos fazer de bem com a nossa trajetória, disse a senhora, esperemos pela nossa natureza. Porque - já frisei isso neste espaço certa vez - assim como os dias ensolarados, temos momentos lindos. Assim como céus cinzentos, temos nossas dificuldades. Fazemos parte desta natureza e somos um reflexo dela. Num belo momento, um tsunami interior varre tudo o que ficou mal resolvido, triste, sem vida. Na verdade, uma maneira de exterminar de uma vez por todas a dor. No fundo, uma maneira de limpar o terreno para que a esperança germine mais à frente.
Visão otimista da vida ou o retrato da realidade?
Faça sua opção.
Eu já fiz a minha.
Obrigada, senhora, pela força.